Notícias

  • Saiba mais sobre a " DERMATITE ATÓPICA "
    « Voltar · 28/SET/2021

    Pele seca e inflamada, descamação, vermelhidão, coceira muito intensa e feridas que, em alguns casos, podem chegar a infeccionar. É assim que podemos descrever a dermatite atópica.

     

     

    COMPARTILHE:

     

    Apesar dos marcantes sinais visíveis, a dermatite atópica não é transmitida pelo contato entre as pessoas, ou seja, não é uma doença contagiosa.

    Há muito mais acontecendo embaixo da pele. Trata-se de uma doença crônica e genética, causada por uma resposta exagerada do sistema imunológico ao contato com um elemento irritante ou alérgeno, chamada de Inflamação Tipo 2.

    Na prática, o que acontece é que esse processo inflamatório nas profundas camadas da pele envia para a sua superfície sinais que causam a coceira. E coçar provoca um rompimento na camada externa da pele, permitindo que substâncias que existem no meio ambiente e que podem induzir uma reação alérgica entrem em contato mais facilmente com o organismo do paciente com dermatite atópica.

    A doença pode ser classificada em leve, moderada ou grave, dependendo da intensidade dos sintomas e da extensão e gravidade das lesões. Somente um médico é capaz de fazer essa avaliação. Independentemente de sua classificação, a dermatite atópica não tem cura, por ser causada por fatores genéticos e imunológicos. Entretanto, mesmo apresentando uma natureza crônica e recorrente, ela pode ser controlada com esquema terapêutico apropriado para a gravidade de cada paciente.

    “A doença é crônica e persistente, por isso requer tratamento contínuo. Cuidados para evitar substâncias irritantes e alérgenos aliados ao uso de emolientes e medicação anti-inflamatória tópica e sistêmica são importantes. Quando não tratada, existe uma tendência para a progressão da gravidade, o que mostra a necessidade de manejo adequado e contínuo da doença”, destaca Nelson Augusto Rosário Filho, médico pediatra pela Universidade Federal do Paraná e especialista em Alergia Clínica pela State University of New York.

    Outro fator que justifica a importância do acompanhamento das formas moderadas e graves da doença com um especialista são as possíveis infecções secundárias, que podem complicar a dermatite atópica. “A alteração da barreira cutânea e o ambiente inflamatório contribuem para infecções virais, fúngicas e bacterianas”, explica o especialista.

    O cuidado mais básico e indicado para todos os casos, de leves a graves, é a hidratação da pele, que promove a umidificação da camada externa da pele estabilizando sua função como barreira protetora. Além das medidas de cuidados básicos, o médico pode ainda receitar tratamentos tópicos ou sistêmicos, incluindo corticoides e medicamento biológico, conforme a gravidade da doença.

    A visita ao médico imunologista ou dermatologista é muito importante para pacientes com dermatite atópica moderada a grave. Apenas um especialista pode determinar qual é o tratamento mais apropriado em cada caso.

    Quer saber mais sobre Dermatite Atópica? Acesse o link:

    https://www.entendadermatiteatopica.com.br/index.html

     

     

    Listar Todas as Notícias
Receba novidades
Alameda Iraé, 620 conj. 103 - Moema - São Paulo/SP - CEP: 04075-903 - Fones: (11) 5549-8199 | 3501-8854 | 0800 773 8199
2017 © ABRA - Associação Brasileira de Asmáticos - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por